Trabalho híbrido Trabalho remoto

Por que voltar ao escritório será 10 vezes mais difícil do que a transição para trabalhar em casa

Quando a pandemia surgiu no ano passado, empresas e escolas de todos os tipos lutaram para conseguir que as pessoas trabalhassem e aprendessem em casa, porém quase ninguém pensou como seria trazer todos de volta.

BoxOffice
22/07/21

Imagem SenivPetro/Freepik

Por BOB O'DONNEL
President and Chief Analyst at TECHnalysis Research

Quando a pandemia surgiu no ano passado, empresas e escolas de todos os tipos lutaram para conseguir que as pessoas trabalhassem e aprendessem em casa, porém quase ninguém pensou como seria trazer todos de volta.

Afinal, a ideia inicial era de que essa seria uma situação de curto prazo, e havia tanto esforço investido para fazer a transição, que ninguém pensou duas vezes no processo de retorno.

Quase um ano e meio depois, a realidade de retornar aos locais de trabalho e escolas está diante de milhões de pessoas e centenas de milhares de organizações - e parece ser um problema significativamente mais difícil do que se pensava originalmente.

Na verdade, ironicamente, quanto mais pessoas com quem converso, mais leio sobre isso e quanto mais penso, fico mais convencido de que será mais difícil do que a transição para trabalhar em casa. Muito mais difícil.

Embora haja exceções, a maioria das organizações não trouxe seus locais de reunião ao padrão multiplataforma de clique único com o qual nos acostumamos. Se você acha que isso não é realmente importante, lembre-se de que todo o sucesso do trabalho híbrido depende totalmente da capacidade de se comunicar facilmente com qualquer pessoa em qualquer lugar.

Pior ainda, se você começou a participar de chamadas em que algumas pessoas estão agora em uma sala de conferências enquanto outras ainda estão no arranjo padrão de "Quadrados de Hollywood", uma pessoa por caixa, sem dúvida notou como pode ser estranho.

Falei com várias organizações que estão intencionalmente tentando evitar isso e manter o senso de igualdade que os quadrados de vídeo trouxeram para todos nós fazendo com que todos trouxessem seus laptops para as salas de conferência e essencialmente agissem como se estivessem todos remotos. Embora aprecie a lógica, acho que a ideia de falar com a tela para se comunicar com a pessoa do outro lado da mesa (ou ao lado) não vai funcionar por muito tempo - se é que funcionará.

Depois, há o desafio de onde você vai sentar quando retornar ao escritório - e não vamos esquecer a batata quente política potencial dos requisitos de vacinação COVID-19, ou o FOMO ( do inglês “Fear of missing out” medo de perder alguma coisa) que ver colegas no escritório irão gerar.

Algumas organizações simplesmente colocarão as pessoas de volta onde costumavam estar - embora também tenham que acomodar todas as que mudaram para o trabalho remoto e novos funcionários que ingressaram durante o COVID-19. Muitos estão considerando coisas como hot-desking, em que você se inscreve em diferentes espaços físicos a cada dia. Isso não só tende a envelhecer muito rapidamente, como também não ajuda no desafio de não ser capaz de determinar (e planejar) facilmente quando certas pessoas estão no escritório ou trabalhando remotamente.

É muito interessante, por exemplo, ver muitas empresas de tecnologia - que geralmente mostraram o maior interesse e vontade de experimentar modelos de trabalho híbridos - começaram a mudar suas estratégias mesmo antes do início da migração em massa de retorno ao escritório.

A Amazon, por exemplo, deixou de exigir que quase todos voltassem ao escritório em tempo integral para um arranjo mais flexível do tipo três dias por semana. A Apple, por outro lado, está mostrando sinais de regras mais rígidas e expectativas mais altas quanto ao tempo de permanência no escritório, para consternação de alguns funcionários.

Por fim, provavelmente veremos muitos experimentos, alguns dos quais fadados a frustrar as pessoas e podem até levar - como alguns previram - a demissões em massa e a enormes saltos no número de pessoas que mudam de emprego.

Sem dúvida, no entanto, o tão esperado retorno ao escritório que muitos aguardavam ansiosamente será muito mais desafiador do que muitos esperavam. Esperemos que as empresas planejem de acordo.

Matéria publicada originalmente em USA TODAY / 19 de julho de 2021